sexta-feira, 22 de Maio de 2009

1. Introdução

Todo o ser humano tem direito a uma alimentação suficiente e saudável.
Para que isso seja possível temos de aprender desde pequenos os princípios da nutrição, os alimentos, as formas culinárias e o impacte que as nossas preferências alimentares têm na nossa saúde e no meio ambiente.
Este tema tem vindo a ser tratado na escola e em diferentes disciplinas, para o aprofundarmos ainda mais foi-nos solicitado um trabalho sobre o tema “Desequilíbrios alimentares”.
Este trabalho foi realizado no âmbito da disciplina de Ciências Naturais em que o tema que estamos a estudar é “O organismo humano em equilíbrio”. A alimentação equilibrada é sem dúvida um aspecto essencial a ter em conta para que o organismo humano se mantenha em equilíbrio.
Este trabalho é composto por duas partes. Na primeira parte vou explicar o que é o que é uma alimentação equilibrada. Na segunda parte vou fazer uma breve síntese dos problemas causados por uma alimentação errada.
Estes problemas podem ser causados por três razões: carência de nutrientes consequência da sua falta ou de uma alimentação errada que leva à falta de um nutriente; excessos alimentares ou problemas de ordem psicológica que levam a que muitos jovens considerem que têm peso exagerado mesmo estando magros e por isso se recusam a comer.





2. Alimentação equilibrada

Alimentação Equilibrada é aquela que oferece numa mesma refeição pelo menos um alimento de cada grupo (energéticos, construtores e reguladores), pois assim conseguimos todos os nutrientes que o nosso organismo precisa para viver em harmonia.
Isso significa que é essencial consumirmos uma grande variedade de alimentos para garantir um equilíbrio de nutrientes que é indispensável para conseguirmos satisfazer as nossas necessidades fisiológicas e psicológicas.

Qual a utilidade dos alimentos?
Os alimentos têm diferentes funções, por isso dividem-se em três grandes grupos, de acordo com essas funções:
- Energéticos
- Plásticos ou Construtores
- Reguladores
Fig.1. Os Três grupos de alimentos



Alimentos Energéticos – O corpo precisa de energia para realizar todas as actividades como andar, pensar, trabalhar, brincar e todas aqueles que são contínuas, não param mesmo quando dormimos, como por exemplo: respiração e circulação do sangue. Todos os alimentos fornecem energia, mas os mais importantes são os ricos em lípidos e glícidos.



Alimentos Construtores ou Plásticos – São os que auxiliam no crescimento e restabelecimento dos tecidos. O nosso corpo tem capacidade de cicatrizar os ferimentos e de construir ossos, pele, cabelos, unhas, dentes e outras partes. Os alimentos deste grupo são os ricos em proteínas.



Alimentos Reguladores – São os que regulam o funcionamento do nosso corpo, servem para prevenir certas doenças como gripes e resfriados e ajudar na digestão dos alimentos. Os nutrientes reguladores são as vitaminas ( A,B,C,D,E, etc) e os minerais ( ferro, cálcio, potássio, zinco, etc).




3. Desequilíbrios alimentares

A ingestão de alimentos deve ser sempre harmoniosa, ou seja, suficiente para assegurar as necessidades do corpo, sem contudo, ser excessiva. É importante manter o equilíbrio no consumo de nutrientes de modo que não surjam carências ou excessos alimentares.
Nos países em desenvolvimento, o principal problema é a desnutrição e a fome, que resultam da ingestão insuficiente de nutrientes e dão origem a uma série de doenças.
Nos países desenvolvidos existem problemas de sobrealimentação, que têm como consequência um aumento da taxa de doenças cardiovasculares e de obesidade.
Podemos pois concluir que são muitas as doenças causadas pelos defeitos alimentares e podemos dividi-las em três grupos, em função das causas que levam ao seu aparecimento.



3.1. Carência alimentar
São doenças típicas dos países em desenvolvimento porque as pessoas não têm meios para adquirir os alimentos mas, também aparecem nos países desenvolvidos porque se faz uma selecção errada dos alimentos.



3.1.1. Avitaminoses
A deficiência de vitaminas provoca avitaminoses podendo levar à morte. São inúmeras as doenças deste tipo distinguindo-se:


O Beribéri – é uma doença provocada pela falta de vitamina B1. Esta doença provoca fraqueza muscular e dificuldades respiratórias, podendo afectar o coração. A pessoa afectada por esta doença apresenta um grande encurtamento muscular que provoca dificuldades de mobilidade e de realização das actividades quotidianas e também dificuldades respiratórias.
Para o tratamento desta doença é necessária uma alimentação rica em cereais, leite, legumes e ovos.










Fig.2. Doente com beribéri




O Escorbuto – é uma doença provocada pela carência de vitamina C. Os primeiros sintomas desta doença são as hemorragias nas gengivas, inchaços, dores nas articulações, feridas que não cicatrizam e pouca segurança na fixação dos dentes. O escorbuto pode ainda causar inflamações na língua.
Esta doença era típica dos marinheiros que passavam muitos dias no mar sem ingerir legumes e frutos frescos.
O tratamento desta doença baseia-se na ingestão de frutas, legumes e vegetais bem como na administração de vitamina C.






Fig.3. Principais sintomas de Escorbuto




O Raquitismo – É uma doença causada pela falta de vitamina D. Esta doença aparece na infância, em crianças que não são expostas ao Sol e não fazem um suplemento de vitamina D3. Vitamina esta que é necessária para absorção do cálcio, principal componente dos ossos. As crianças raquíticas são aparentemente normais, mas não conseguem segurar o pescoço e demoram mais tempo a engatinhar e a andar. O raquitismo pode evoluir com graves deformações do esqueleto descalcificado, ficando a criança com a coluna vertebral curva e as pernas arqueadas.




Fig.4. Criança com raquitismo




A Xeroftalmia – É uma doença causada pela falta de vitamina A. Esta doença é caracterizada pela não produção de lágrimas levando à secura das conjuntivas e da córnea o que provoca a dificuldade de visão principalmente durante a noite mas pode levar à perda total de visão. Esta doença é notória pela opacidade da córnea que perdem brilho e se tornam esbranquiçadas.



Fig.5. A xeroftalmia provoca a opacidade da córnea.



A Pelagra – É uma doença provocada pela falta de vitamina PP ou niacina. Esta doença é também conhecida pela doença dos três D’s , pois os seus sintomas são: Dermatite, a pele fica com uma cor escura, seca e áspera; Diarreias e Demência ou seja alterações mentais. Esta doença pode levar à morte.


Fig.6. Pele escura, seca e áspera devido à pelagra



3.1.2. Carência de Sais Minerais
Os Sais Minerais são também nutrientes muito importantes pois são responsáveis pela função plástica e reguladora. O Sódio e o Potássio são importantes para o funcionamento do Sistema Nervoso. O Fósforo e o Cálcio formam o Sistema Ósseo. A deficiência de Sais Minerais leva ao aparecimento de várias doenças, sem as mais comuns:

O Raquitismo – Doença provoca pela deficiência na ingestão de Cálcio na infância associada como já expliquei à carência de vitamina D.

O Cretinismo – Um dos tipos de Cretinismo, o cretinismo endémico, é causado pela falta de Iodo e ocorre em crianças cujas mães tiveram uma ingestão deficiente de iodo durante a adolescência e gravidez. O iodo é necessário para que a tiróide segregue hormonas necessárias à actividade metabólica normal.

O recém – nascido que apresente este problema tem uma aparência normal, mas algumas semanas mais tarde apresenta movimentos lentos, crescimento físico e mental muito retardado. Esta doença é detectada nos primeiros dias de vida através do teste do pezinho e é administrado iodo à criança, evitando uma deficiência durante toda a vida.

O Bócio – A falta de Iodo nos adolescentes e adultos provoca um aumento do volume da glândula da tiróide. Esta glândula pode chegar a atingir 10 vezes o seu tamanho normal. Para prevenir o aparecimento desta doença a OMS impôs a adição de iodo no sal das cozinhas.


Fig.7. O Bócio deve-se à carência de iodo

A Anemia – Caracteriza-se pela falta de glóbulos vermelhos no sangue. As causas que levam à anemia são várias, podendo ter uma origem nutricional, pois o ferro entra na composição da hemoglobina, daí que a falta deste mineral impeça a formação desta proteína. A anemia manifesta-se através da fadiga, fraqueza, palidez, dificuldade de concentração ou vertigens. Em situações mais graves provoca palpitações e o sangramento das gengivas.



Fig.8. A anemia manifesta-se através da fadiga



3. 2. Excessos Alimentares


A Obesidade -. Nos países desenvolvidos ingerem-se quantidades de glícidos e gorduras superiores às necessárias muitas vezes resultante do uso dos fast-food, este facto conjugado com o tipo de vida cada vez mais sedentário faz com que o indivíduo não consiga gastar toda a energia consumida, estas calorias vão acumular na forma de gorduras, provocando a obesidade.
A obesidade é a principal causa de inúmeros problemas de saúde:
- É a principal causa da diabetes;
- Provoca problemas respiratórios pois a gordura que se acumula sobre a caixa torácica dificulta a respiração;
- Os ossos e músculos são afectados pelo esforço adicional para suportar o excesso de peso;
- Influi no funcionamento do sistema cardiovascular, a gordura no sangue dificulta a irrigação sanguínea e eleva a tensão arterial;
- Desgasta o coração que trabalha mais para impulsionar o sangue nos vasos sanguíneos cada vez mais estreitos e rígidos;
- Provoca o aumento do suor que está na origem de infecções cutâneas.


Fig.9. A obesidade infantil é um problema grave








A Diabetes – é uma doença caracterizada por níveis elevados de glicose no sangue, o excesso de açucares faz com que o pâncreas deixe de produzir insulina. A insulina é a hormona responsável pela utilização da glicose pelas células que a transforma em energia. A diminuição de insulina leva ao aumento da glicose no sangue.
Os sintomas mais comuns são a secreção excessiva de urina, a sede, fome intensa, fadiga, emagrecimento e visão turva.
Nas crianças e jovens os sintomas aparecem de maneira súbita e são mais nítidos, podendo causar dores musculares intensas, dores de cabeça, náuseas e vómitos.
Estes doentes quase sempre podem ter uma vida normal acompanha de injecções de insulina.




Fig.10. Nas crianças os sintomas da diabetes são mais nítidos



3. 3. Doenças de Comportamento Alimentar

A Anorexia nervosa é uma disfunção alimentar, caracterizada por uma rígida e insuficiente dieta alimentar que leva a um baixo peso corporal e por um grande stress físico. É uma doença complexa, pois tem componentes psicológicas, fisiológicas e sociais. Esta doença afecta principal mente adolescentes do sexo feminino que querem manter um corpo magro, muitas vezes influenciadas pela publicidade dos meios de comunicação. A anorexia provoca uma fraqueza do organismo e fraca resistência a infecções, danos no aparelho reprodutor, problemas cardíacos por falta de potássio e sódio e levando muitas vezes à morte.

A Bulimia Nervosa é uma disjunção alimentar associada à anorexia nervosa com uma diferença, a pessoa bulímica apresenta períodos em que se alimenta em excesso, seguidos pelo sentimento de culpa por causa do ganho de peso. Para “ compensar” vomita o que come ou usa purgantes e diuréticos para emagrecer.
Esta doença causa os mesmos problemas que a anorexia além de causar problemas no esófago, glândulas salivares e dentes devido aos vómitos e problemas intestinais e nos rins devido aos purgantes e diuréticos.



4. Conclusão

Considero que este trabalho foi, para nós, muito importante, porque nos obrigou a investigar sobre certas doenças das quais nós só conheciamos o nome, alertou-nos para problemas do dia-a-dia e principalmente nos fez pensar na importância da alimentação e nas consequências resultantes de uma alimentação errada.
No nosso dia-a-dia de escola fazemos uma ingestão dispersa de alimentos e omitimos refeições importantes como o almoço e até em alguns casos o pequeno-almoço. Este é um erro que a partir deste momento vou tentar evitar, assim como devo evitar consumo periódico de comidas tipo fast-food.
Este trabalho serve ainda para todos nós conhecermos o risco que se corre quando emagrecemos, seja por distúrbios psicológicos ou por outra qualquer razão. A magreza exagerada traz-nos problemas de saúde que muitas vezes nos acompanham toda a vida e em certos casos como referi no trabalho pode levar à morte.
Para concluir é importante referir que devemos conhecer e por em prática as regras básicas de uma alimentação saudável: é aquela que oferece numa mesma refeição pelo menos um alimento de cada grupo (energéticos, construtores e reguladores). Refeições estas que não devem estar separadas por intervalos de tempo exageradamente grandes.
Só assim podemos desfrutar de uma vida saudável.





Trabalho realizado por:
-Ana Morgado
-Bruno Morgado
-António Castro







Professor:
-Daniel
Escola:
Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida